Fragilidade da vida

Foto: Aldo Segnini – segnini.com

A fragilidade do nosso bem mais precioso, a vida, sempre foi algo que me despertou grande fascínio.

Me pego, vezes ou outras, pensando nessa danada dessa finitude, pelo menos no tocante ao que chamamos estar vivos, nada relacionado à doutrina, dogmas ou crenças.

E hoje, essa que vos escreve está um tanto triste.

Passei 16 horas ao lado de uma amiga querida que perdera sua sobrinha de 11 anos.

Não, não vou falar de morte ou dizer o quanto a vida tem que ser vivida, e se você está se perguntando o porquê de eu estar aqui escrevendo mesmo sem dormir há 33 horas…

Bom, é que quero compartilhar algumas tantas reflexões com você, pois se tem algo que perceber e sentir o fim da vida me traz, são reflexões!

Quando vejo a fragilidade da vida e percebo o tempo gasto priorizando pequenas coisas e minimizando a importância de outras, me vem a certeza de que preciso estar por aqui.

Fiquei pensando muito, de ontem até agora, sobre o que nos move, o que nos faz ir adiante e sério, não pretendo aqui ser clichê, mas nossos sonhos, a fé – no sentido de acreditar em algo – e o amor são, pelo menos para mim neste momento, as forças motrizes da existência!

Então, você que gasta alguns minutos lendo o que escrevo com tanto carinho, saiba que hoje, um tanto à flor da pele, estou falando de coração, sem preocupação com métrica, concordância ou coerência com os outros textos, apenas é meu coração à serviço do que escolhi fazer, gestão de mudança de vida e escrever sobre isso.

E como vida é sim a matéria-prima para meu trabalho, quero dividir com você um pouco do que senti, percebi e observei….

Coloque-se no lugar do outro, sempre!

Perdoe, nossa, perdoar é libertador e se ainda é difícil, pede ajuda, permita-se tentar, mas não gaste saúde, tempo e nem energia com esse sentimento.

Diga que ama. Poutz, se o post de hoje tivesse só direito a uma frase, seria essa: diga que ama. As pessoas precisam que você verbalize seu amor, demonstre, olha, é incrível como um momento difícil, de crise ou perda faz vir à tona o que há de mais humano dentro das pessoas.

Dê importância ao que tem importância, dá um tempo nesse mimimi e nesse blablabla. Simplifica.

Pare de potencializar o que é pequeno e dê valor ao que é grande.

Respeite a dor do outro, ela não é menor, maior ou melhor, é apenas diferente da sua, é a dele!

Dizem que a vida é curta, mas levando-se em conta a estimativa de vida geral, dependendo da idade que você tenha pode achar que tem muito tempo, pois é, mas pode ser que não, então: sonhe, ouse e não desperdice o que você tem.

Sempre quando eu lia posts com dicas de “10 formas de ser feliz”, ou “10 dicas de hábitos tal e tal” eu ficava pensando sobre o que motivou o escritor a dedicar um tempo compilando observações e vivências, hoje eu descobri o que motiva, é tempo para observar, absorver e fazer tanto sentido que você não suporta guardar só para você.

Não querer que haja sofrimento por perda de tempo sem viver uma vida intensamente e focando na felicidade e realização é o que me motivou a compartilhar esse meu momento com você.

Faça valer a pena!

Bora lá Isa. :)

ShareShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Share on TumblrShare on LinkedInDigg thisShare on RedditEmail this to someone

Comments (4)

  1. Nila Dourado Andrade

    Respeitar a dor do outro, ela não é menor, maior ou melhor. É dor. E é dor de perda. Significativas, ou não.Sendo ela qual for, cada qual tem seu tempo para prantear, afundar no abismo da tristeza e emergir.
    O importante é o respeito com a dor de cada um.
    O retorno à vida, depende do sentir de cada ser.E se houver retorno a “normalidade”, já é um ganho incrível.
    Sigamos, pois, celebrando a vida, amando, e não perdendo nenhuma oportunidade de alegria. Pouco ou muito, vamos nos alegrar. Estamos vivos, isso é muita coisa.

    Reply
    1. Alessandra Yoshida (Post author)

      Sim, essa é a sensação maior, respeito ao outro e viver a vida tendo como alegria o foco, o aprendizado e a gratidão de estar vivo. Muito obrigada pelo lindo comentário. Abraços//

      Reply
  2. Camilla

    Ale, que post lindo! Voce escreve muito bem, com alma! Você tem estrela, vai ajudar muitas pessoas a mudarem suas vidas. Acredite no seu potencial porque eu nem comecei a trabalhar contigo e já acredito! Quero te dizer que hoje, diferente de você, tive um dia extremamente feliz. Nao fui a praia, nao viajei, nao ganhei presente. Hoje eu acordei cedo, estudei muito, me alimentei de forma saudável sem pular nenhuma refeição (tava fora da dieta o carnaval todo), treinei intensamente, trabalhei e cuidei do meu filho por 2 horas com todo carinho e paciência como há tempos nao tava conseguindo fazer. Eu pedi muito a Deus que me ajudasse a encontrar um trabalho que me realizasse. E estou trabalhando (como arquiteta) e estudando (o coaching) com tanto amor que tudo ta fluindo bem e meu coração ta cheio de gratidão porque finalmente eu to conseguindo me mover e parei com mi-mi-mi. Pra você que tanto se doou hoje, deixo meu abraço virtual. Vá descansar! Bjs

    Reply
    1. Alessandra Yoshida (Post author)

      Camilla, gratidão por todas as palavras, é um carinho para o corpo cansado e para a alma tocada por tudo que narrei. Me sinto grata pelas pessoas que tenho em meu viver e sortuda por todas as novas amizades. Que sigamos nos inspirando e nos ajudando para sermos a cada dia mais felizes e plenamente inteiras dentro de nossas escolhas. Seu dia feliz me faz apenas constatar ainda mais que a impermanência tem que ser respeitada e celebrada diariamente!!! Obrigada abração//

      Reply

Deixe uma resposta para Nila Dourado Andrade Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *